Novidades

Por: comKids (Redator)

Nessa reportagem do portal comKids, conversamos com a produtora e pesquisadora Jacqueline Sánchez Carrero, responsável (ao lado de Enrique Martinez) pelo Taller Telekids . Trata-se de uma iniciativa espanhola de produção audiovisual para crianças entre 8 e 12 anos. Um dos principais objetivos dessa iniciativa é o de proporcionar às crianças uma vivência prática: lá elas aprendem a produzir ao mesmo tempo em que se constituem como receptoras críticas.

Uma das produções do Taller recebeu o prêmio do júri de melhor curta, na categoria internacional, do Festival Pequeno Cineasta, em setembro de 2015, no Rio de Janeiro, com o filme “¿De verdad piensas eso de mí?”, que traz como personagens principais duas crianças de nacionalidades diferentes, que entram em conflito a partir do choque cultural. Nessa entrevista, Jacqueline respondeu algumas perguntas realizadas pela equipe comKids.

Equipo rodando en exteriores

A jovem equipe filmando em áreas exteriores. Foto: Taller Telekids, divulgação.

1 – Quais são as principais atividades do Taller Telekids? Desde quando vocês vêm fazendo filmes para crianças e feitos por elas?
No Taller Telekids, a principal atividade é formar pequenos diretores que, simultaneamente, sejam críticos dos conteúdos que assistem nas telas. Concretamente, desenvolvemos um programa que é um produto de minha experiência de trabalhar muitos anos detrás das câmeras de televisão, um manual que se chama “Os segredos da televisão”. Ele vem com um guia para o tutor, pai ou professor, para fazer com que eles possam exibir conteúdos de mídia e dialogar sobre eles. Nesse manual, as crianças encontram um guia para aprender a escrever roteiros, usar a câmera, conhecer os detalhes do som e da iluminação e editar. Ao mesmo tempo em que aprendem essas habilidades, preparam-se para ser “espectadores inteligentes”, que é como costumamos chamar aqueles que sabem conscientemente por que ver um produto audiovisual e sabem verdadeiramente dizer se vale a pena seguir assistindo um determinado conteúdo ou se, por outro lado, ele não nos deixa nada em troca como espectadores.
Desse modo, os meninos e as meninas que entram no Taller Telekids têm a oportunidade de desenvolver o seu senso de criatividade, através da criação de história audiovisuais. Ao mesmo tempo, começam o caminho de discriminar os conteúdos da mídia, como séries de TV, filmes, anúncios publicitários, desenhos animados…
Essa iniciativa foi criada por mim em 1996… estamos falando já dos últimos anos do século XX, e o objetivo da sua criação foi conhecer o que aconteceria se um grupo de crianças fosse convidado para ir à televisão não para estar diante das câmeras, mas sim para estar detrás delas. Aquele experimento que levou seis meses para ser concluído serviu de base para a minha primeira investigação. Uns anos depois, me tornei Doutora na Universidade de Sevilla, aprofundando a linha de investigação “educação midiática para crianças e adolescentes”, que não é outra coisa que a educação de mídia para os pequenos.

2 – Você esteve no Festival Pequeno Cineasta no Rio em setembro, onde inclusive uma produção do Taller Telekids foi premiada pelo júri na categoria internacional. Como você vê as diferenças entre Brasil e Espanha na produção feita por crianças?
Sim, efetivamente, estivemos no Rio, recebendo o prêmio do júri ao melhor curta na categoria internacional com o filme “¿De verdade piensas eso de mí?”, realizado por um grupo de meninos e meninas entre 8 e 12 anos, do Taller Telekids. É importante se ressaltar que esse curta ganhou em 2012 o prêmio do júri internacional no Festival PLURAL+ de Nova Iorque (organizado pela ONU) e, mais recentemente, o prêmio de melhor curta na categoria infantil do Festival Vía de la Plata (Espanha) em 2015.
Com relação à outra pergunta… na realidade, geralmente há mais semelhanças do que diferenças nas produções realizadas por crianças. Os meninos têm as mesmas dúvidas e curiosidades em grande parte do mundo, o que pode mudar é o foco que eles dão à forma de expressar os seus próprios problemas. Ou seja, enquanto em umas culturas a música, por exemplo, é um fator importante porque está no seu dia a dia, em outras primam outros aspectos como a construção de personagens ou os roteiros. Tivemos a oportunidade de assistir vários gêneros, desde os documentários até as ficções, passando pela animação. Todas as primeiras produções das crianças têm doses de ingenuidade, mas ao mesmo tempo têm um tanto de realismo, uma vez que expressam os seus próprios problemas através do meio cinematográfico. Em todos os casos, isso sim, existe um grande entusiasmo por realizar essa tarefa de forma séria mas sem deixar de ser uma aventura na qual eles se divertem, e isso é muito importante.

Recibiendo el Premio del Festival Pequeno Cineasta (Brasil)

Enrique Martinez e Jacqueline Sanchez Carrero (Taller Telekids) recebendo o troféu do Pequeno Cineasta, junto à equipe do Festival. Foto: divulgação

Aldo recibe el Premio PLURAL+(NY) 2014_2

Jacqueline e Aldo (Equipe Taller Telekids) recebendo o prêmio PLURAL+, em Nova Iorque. Foto: Divulgação.

3 – Você poderia mencionar alguns conteúdos audiovisuais espanhóis infantojuvenis de qualidade dos últimos anos? Por que eles te cativaram?
Bom, na Espanha, desde que emergiu a TDT, a Televisão Digital Terrestre, contamos com o canal infantil de televisão espanhola que é o CLAN, que se define como uma mídia com programação que educa e entretêm a sua audiência. Na programação, eu destacaria séries como “Pocoyo” que é uma série de animação espanhola que começou a ser emitida em 2005 e que convida as crianças menores de quatro anos a descobrir o seu próprio mundo. É uma produção reconhecida em vários países. Para os maiores, eu gosto de “Clay Kids”, uma série de animação espanhola destinada ao público infantil, mas também para os maiorzinhos. Trata da vida de sete meninos adolescentes que compartilham aventuras e que são movidos por valores como a amizade, a consciência ecológica, a integração, a inclusão, ou seja, temas muito atuais. Ela é muito atraente pelo seu desenho e pelo seu roteiro. Está fazendo sucesso fora da Espanha também
Acredito que os produtores devem ser conscientes da importância da produção para crianças, respeitando-as como cidadãos com direitos e permitindo que eles se expressem. As crianças aprendem a partir do que veem cotidianamente, em maior ou em menor medida. Daí que ganham importância as séries e os desenhos animados que começam a assistir desde muito cedo, e às quais têm acesso, queiramos ou não, desde a tela do televisor e até os diferentes dispositivos móveis.
Nós do Taller Telekids queremos formar as próprias crianças como espectadoras críticas através da prática da produção audiovisual. E, ao mesmo tempo, estamos desenvolvendo ideias para a produção de conteúdos digitais nos quais o universo da mídia será mostrado, tendo como ponto central os meninos e as meninas.

Eu gostaria de mencionar o Telekids Inspiração, através do qual oferecemos gratuitamente um programa que chamamos “Pequenos diretores”, um ciclo de curta-metragens feitos por crianças com temas de valores humanos que difundimos em centros escolares, associações, etc. O seu objetivo é fazer com que outras crianças conheçam o que está sendo produzido em diferentes partes do mundo.

Conheça mais o trabalho do Taller Telekids vistando o site e o blog da iniciativa.

Foto do destaque: Frame do curta “Los pequeños hermanos Lumière”, em homenagem ao aniversário de invenção do cinema. Prod.: Taller Telekids, Espanha.

E aqui o curta “¿De verdad piensas eso de mí?”, Taller Telekids, Espanha.